A Igreja de São Sebastião situa-se no largo de São Domingos, em Setúbal, acolheu a nossa música, no dia 12 de Novembro de 2011, para a cerimónia de casamento da Dayanna e do Hugo.

A primitiva igreja de São Sebastião era uma pequena ermida, edificada cerca de 1490 no local do actual miradouro da cidade de Setúbal, sendo designada sede de freguesia em 1553. A ermida medieval, na época já muito danificada devido ao terramoto de 1755, acabaria por ser demolida em meados do século XIX. A actual igreja paroquial de São Sebastião, situado no convento dominicano, foi fundada entre 1564 e 1566, numa obra patrocinada por D. Sebastião. A traça do templo é atribuída a Afonso Álvares, arquitecto régio que executou as igrejas de São Roque, em Lisboa, e do Espírito Santo, em Évora, quer pelas semelhanças estruturais entre os três templos, quer pela contemporaneidade das obras. Embora o terramoto de 1755 tenha danificado bastante a estrutura do templo, a igreja de São Sebastião mantém a estrutura original. Exteriormente, apresenta fachada composta por três corpos de altura igual, separados entre si por pilastras toscanas, e rematados por entablamento. O conjunto é coroado por frontão triangular. As janelas que ornamentam o registo superior, bem como o portal principal, foram transformados após o terramoto. O interior, de nave única, possui capelas laterais intercomunicantes, e era originalmente coberto por abóbada de berço, destruída com o terramoto e substituída por cobertura de madeira. As duas capelas mais próximas da capela-mor, de cércea mais elevada e mais profundas, constituem um falso transepto.

A capela-mor, ladeada por duas capelas, apresenta sinais de ter sido ampliada, possivelmente no período pós-terramoto, sendo decorada por retábulo de talha policroma pombalina, com pinturas dedicadas a Nossa Senhora do Rosário, que se assemelham muito ao retábulo da Igreja de São Julião de Setúbal, executado no final do século XVIII. Os restantes altares de talha, bem como o frontão do arco triunfal, são também de tipologia pombalina, policromos, executadas na mesma época em que as capelas laterais foram fechadas com altares à face. Exceptua-se a Capela do Santíssimo, que manteve a profundidade original. O espaço interior da igreja é iluminado por várias janelas de sacada, abertas sobre as capelas laterais. Embora tenha sofrido algumas alterações estruturais, a igreja de São Sebastião pode ser definida como “um edifício marcante na evolução da arquitectura portuguesa da segunda metade do século XVI”.

Dayanna e Hugo, foi com o maior prazer que participamos neste vosso dia, e queremos desejar-vos as maiores felicidades e muita saúde, são os votos do Ensemble FazMúsica.